Banner CMM

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

"Conversa franca" com candidatos tem muita divagação

Compartilhar
Do Blog Carlos Santos

Foto: Assessoria
Pelo debate/sabatina dessa quinta-feira (15) à noite transmitido pela TV Cabo Mossoró (TCM) e FM 95, denominado de “Conversa Franca”, provocado pela classe produtiva do município, o quadro eleitoral não terá alterações.

Ninguém sobrou. Quase todos tergiversaram.

Sucessão municipal sem surpresa, assim continuará, se avaliarmos o cenário pelo programa e o desempenho dos candidatos.

Gutemberg Dias (PCdoB) e Francisco José Júnior (PSD) sobressaíram-se. O primeiro, didático e inteligível, dissertou sobre questões de forma pragmática e racional.

“Francisco”, por nítido domínio e compreensão da coisa pública, debulhou números e procurou justificar sua gestão, além de censurar opositores indiretamente.

Tião Couto (PSDB) parecia travado, arrimando-se em promessas vagas e na crítica às administrações tradicionais; Rosalba flutuou leve, mas sem ser incisiva nas abordagens.

Josué foi professoral apenas, mas longe de empolgar.

Os cinco candidatos a prefeito foram sabatinados sobre temas relacionados à economia mossoroense por representantes de entidades ligadas ao segmento.

Fizeram perguntas oportunas. Abriram o leque de apreensões do setor produtivo. Foram ouvidos, o que não é comum na história das gestões mais recentes em Mossoró.

Não sei se pelo formato, mas não há muito a ser juntado dessa sabatina, de forma prática, para aproveitarmos até à cobrança ao eleito (a).

Os candidatos divagaram muito, apostaram no genérico e soltaram críticas em contendores de forma subliminar.

Os prefeitos mossoroenses nos últimos 20 anos, quase sem exceção, não investiram em parcerias com universidades e entidades empresariais. Não pensaram o futuro da cidade.

Priorizaram eleições e a construção de imagem personalista em detrimento do cidadão e do bem-estar social como um todo.

Dificuldades

Anote: próximo prefeito adotará moratória, promoverá demissões e terá de ser administrador de folha de pessoal por longos e longos meses. Depois talvez faça algo, também bafejado por uma conjuntura que lhe seja favorável.

Aguardemos grandes cortes no custeio da máquina pública; decisões antipáticas. Isso nenhum candidato falou nem se propõe a falar.

Estamos muito atrasados com o que de moderno se faz em gestões vitoriosas, como as parcerias público-privada, consórcios intermunicipais e plena transparência e honestidade com a gestão do interesse coletivo.

Precisamos com urgência de mudança nesse modelo que se repete, na Prefeitura, gestões após gestões.

Estamos em busca de um novo paradigma que converta aspirações da coletividade em realidade e não sonhos em desastres.

Participaram da sabatina Michelson Frota, representando o Sindicato do Comércio Varejista (SINDIVAREJO), Getúlio Vale, em  nome da Câmara de Dirigentes Lojistas de Mossoró (CDL) e José Carlos Dias pela Associação Comercial e Industrial de Mossoró (ACIM), além de Sérgio Freire, presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil de Mossoró (SINDUSCON).

O jornalista Tuca Viegas fez sóbria e segura mediação.