Banner CMM

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

OAB trabalha para evitar fechamento do hospital São Camilo de Lellis

Compartilhar
(Foto: PMM)
A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Subseção de Mossoró, estudará quais as medidas poderão ser adotadas para garantir o funcionamento do hospital psiquiátrico São Camilo de Lellis, que atende cerca de 70 pacientes e enfrenta dificuldades financeiras.

Os servidores temem pelo seu fechamento, a exemplo do que está acontecendo com o Hospital da Mulher de Mossoró (HMM), e por isso resolveram pedir o apoio da OAB e de outras entidades para evitar a medida extrema.

Representantes da Ordem terão uma reunião hoje (19) à tarde com servidores do hospital psiquiátrico e participarão também de uma audiência pública que será realizada amanhã (20) na Câmara Municipal de Mossoró.

Na tarde de hoje, a OAB receberá o diretor-técnico do hospital psiquiátrico, o psiquiatra João Batista, a enfermeira Helena Rebouças e a terapeuta ocupacional Elaine Rodrigues.

A campanha pelo não fechamento do hospital psiquiátrico começou após a notícia do encerramento das atividades no Hospital da Mulher de Mossoró, conforme Helena Rebouças. 

“Passamos por uma situação de penúria aqui. A Prefeitura de Mossoró está desassistindo o hospital. Isso vem ocorrendo há bastante tempo, mas nós vínhamos contornando e chegou ao ponto de faltar alimentos e não termos mais como funcionar”, relata a enfermeira, citando o exemplo do HMM, que enfrentou dificuldades financeiras.

Segundo Canindé Maia, presidente da OAB/Mossoró, a reunião de hoje servirá para que os servidores expliquem o quadro atual do hospital psiquiátrico. “Ouviremos o que eles têm a dizer e a partir disto tomaremos as medidas cabíveis”, explica o presidente, acrescentando que a Ordem estará presente na audiência pública que será realizada amanhã, na Câmara dos Vereadores de Mossoró, com a finalidade de discutir a situação do hospital psiquiátrico São Camilo de Lellis.

“Estaremos presentes na audiência pública e faremos o que for possível para evitar que Mossoró perca mais uma unidade hospitalar”, adiantou o presidente, reforçando a posição da OAB na defesa dos direitos fundamentais.

*Assessoria de Imprensa