segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Apesar de capacitação, Prefeitura deixa armamento de guardas para a próxima gestão

Compartilhar
Foto: Gildo Bento/ Prefeitura
Depois de toda uma gestão - de dois anos - tentando viabilizar o armamento da guarda municipal, uma promessa de campanha, a Prefeitura de Mossoró realiza, a partir de hoje (28), o curso de qualificação para uso e manuseio de equipamentos letais (armas de fogo), para a Guarda Civil Municipal (GCM). 

O curso terá duração de 80 horas e após a primeira turma de 50 alunos, os demais guardas civis municipais, num total de quarto turmas, irão também se submeter à formação, que habilita o profissional a portar arma de fogo durante o trabalho.

Próxima gestão

Para a Prefeitura, os profissionais poderão atuar nas ruas com um poder maior no combate à violência e ampliarão sua eficácia, como explica o secretário da pasta Alvibá Gomes.

Entretanto, por falta de tempo, a efetivação do armamento, criticado por uns e esperada por outros, só poderá se dar na próxima gestão, da prefeita eleita Rosalba Ciarlini. 

Em entrevista concedida ao programa Meio-Dia Mossoró, da TCM 95 FM, logo após a eleição, a prefeita eleita não defende nem condena o armamento.

"Para armá-los eles (os guardas) têm que passar por um processo de preparação muito grande. Uma arma não é um brinquedo, mas também eles não podem ficar indefesos. Às vezes surgem problemas por falta de preparo e por falta de estabilidade emocional", diz Rosalba (veja aqui).

Lei 13.022/2014

O curso de tiro e o consequente porte de arma, que será concedido aos guardas civis municipais pela Prefeitura de Mossoró, está de acordo com a lei que instituiu o Estatuto Geral das Guardas Municipais, sancionada em 2014.

A nova norma insere as guardas municipais no sistema nacional de segurança pública, garante o porte de arma e dá a esses profissionais o poder de polícia. O objetivo é que eles tenham o dever de proteger tanto o patrimônio como a vida das pessoas.

*Com informações da assessoria de comunicação