quinta-feira, 9 de março de 2017

Débito com a PREVI Mossoró cresceu quatro vezes em dois anos

Compartilhar
Em reportagem exibida no programa Cenário Político de 02 de março de 2015, o advogado Paulo Linhares, que acabara de deixar a presidência da PREVI Mossoró, denunciou, em tom de mera informação, que o débito da Prefeitura de Mossoró com o órgão, em fevereiro de 2015, era de cerca de R$ 6 milhões de reais, referentes a repasses não efetuados pela Prefeitura (reveja na reportagem abaixo).


Hoje, dois anos depois, a dívida alegada pela prefeita Rosalba Ciarlini é de quase R$ 20 milhões.

Na mensagem anual, lida no último dia 02 (veja aqui) a prefeita explicou o débito. "Podemos destacar o débito com a PREVI-Mossoró: segundo levantamento da própria PREVI, há uma dívida que se aproxima dos R$ 20 milhões, sendo R$ 9 milhões retido dos servidores e não repassados; R$ 3,5 milhões de obrigações patronais e R$ 7 milhões de Termos de Ajustamento de Conduta (TAC) e parcelamento não cumpridos".

Ministério Público
Em entrevista ao Meio Dia Mossoró, na 95 FM, o promotor do Patrimônio Público, Fábio de Weimar Thé, disse não ter conhecimento sobre os detalhes dessa dívida e citou o Termo de Ajustamento de Conduta firmado com PMM, informando que o descumprimento do termo pode ensejar punições ao gestor municipal.

Nota do Blog - É preferível acreditar que o crescimento da dívida com o fundo de aposentadoria dos servidores municipais mostra o mau gerenciamento da crise financeira em nosso município pelas gestões anteriores, e não a apropriação do dinheiro público, uma vez que se afirma que o valor foi retido dos servidores.

É importante que órgãos competentes por investigar essa situação se manifestem e iniciem uma investigação para mostrar à população onde está esse dinheiro.