Banner CMM

terça-feira, 19 de setembro de 2017

Levantamento sobre unidades de saúde de Mossoró mostra cenário precário

Compartilhar

Além da carência de estrutura, UBSs também
são alvos constantes de assaltos
Em pronunciamento encerrado há poucos minutos na tribuna da Câmara Municipal de Mossoró, o vereador Petras Vinícius fez um relatório de visitas suas a dez Unidades Básicas de Saúde do Município (UBS’s) nos últimos dias, além das Unidades de Pronto-Atendimento (UPA’s). Foi o que definiu como “Marcha da Saúde”.

Sintetizou o que viu e documentou através de entrevistas, fotos e vídeos, ouvindo servidores e clientela.

Abaixo, um resumo do que ele coletou e pretende encaminhar a setores fiscalizadores da Saúde Pública:

UBS’s Chico Porto:

- Área coberta: 3 mil pessoas
- Área descoberta: 2 mil pessoas
- Apenas uma equipe (3 equipes seriam necessárias para cobrir toda a área)
- 3 médicos atendem na Unidade;
- Dentistas da Unidade estão atendendo no CEO por falta de condições estruturais nos consultórios odontológicos;
- Duas cadeiras de Dentista paradas;
- A UBS está sem gerente;
- Sem medicação para pressão e diabetes;
- Farmácia Básica com 10% de sua capacidade;
- Atendem cerca de 500 hipertensos;
- Não há sala para Assistente Social;
- Não há Segurança.

UBS Dr. Epitácio da Costa Carvalho:

- 13 fichas/dia;
- Mais de 1600 famílias cadastradas;
- Farmácia Básica com 5% de sua capacidade;
- Falta HiperDia;
- PSF sem enfermeiro há 15 dias;
- Serviços de PSF sem utensílios básicos (os funcionários estão se mobilizando para conseguir material de outros locais de trabalho);
- Duas dentistas trabalhando há 2 anos na UBS apenas com orientações, pois a energia não suporta os equipamentos quando em funcionamento;
- Médico atendendo três vezes por semana;
- Sem fardamento para ACS;
- Apenas 5 ACS trabalhando (seriam necessários mais 5 para cobrirem a demanda da área);
- Apenas uma equipe trabalhando (duas seriam necessárias para cobrir toda a área);
- 6 áreas descobertas;
- A comunidade fez doação de equipamentos de informática (uma impressora e toner);
- Vazamento na caixa de água impede funcionamento da UBS ao menos uma vez por semana;
- Material esterilizado na UPA do Alto de São Manoel;
- Unidade não possui Segurança.

UBS Dr. Aguinaldo Pereira:

- Média de 3 mil pessoas atendidas;
- 2 equipes PSF;
- Faltando 40% dos medicamentos na Farmácia Básica (HiperDia, Psicotrópicos e Analgésicos);
- Salas arrombadas por vândalos e cobertas de rachaduras e mofo;
- Há frequência nos arrombamentos;
- Unidade não possui segurança;
- À espera de licitação para reforma;
- Problemas elétricos impedem o funcionamento do Consultório de Enfermagem.

UBS Mário Lúcio de Medeiros:

- Uma equipe de PSF;
- Farmácia Básica com 20% de sua capacidade;
- Faltam cerca de 80% dos Medicamentos Psicotrópicos sem previsão de chegar;
- Quantidade razoável de remédios de pressão;
- Internet paga pelos funcionários;
- 550 famílias descobertas no Conjunto Novo;
- Comunidade entre Geraldo Melo e Alto da Pelonha, descoberta;
- Média de 3 mil famílias descobertas;
- Prédio com aluguel em atraso;
- Vários roubos, na entrada da Unidade, a populares e funcionários.

UBS Enfermeira Conchita da Escóssia Ciarlini:

- Por falta de qualquer mecanismo de Segurança, a Unidade é constantemente arrombada e alvo de vandalismo e roubos de equipamentos;
- 3 equipes de PSF;
- Há mais prontuários da área descoberta que da coberta;
- Farmácia Básica com 20% de sua capacidade;
- Analgésicos e HiperDia em falta;
- Luvas de procedimento e material de Curativo em falta;
- Material para medir glicemia em falta;
- Não há internet;
- Equipamentos pessoais dos funcionários são usados para a marcação de consultas.

UBS Dr. Lucas Benjamim:

- Unidade polo para UBS dos abolições;
- Uma equipe de PSF;
- Analgésicos e HiperDia em falta;
- Psicotrópicos em falta;
- Farmácia Básica com 30% de sua capacidade;
- Área coberta: média de 2200 pessoas;
- Área descoberta: mais de 4mil pessoas;
- Mais de 200 hipertensos;
- Não há internet na Unidade;
- Notebooks pessoais são usados para suprir demanda da Unidade que, praticamente, não possui computadores;
- Não há segurança.

UBS Dr. José Fernandes de Melo:

- Unidade polo para unidades no entorno;
- Sem Psicotrópicos;
- Sem HiperDia;
- Sem Analgésicos há meses;
- Farmácia Básica com 10% de sua capacidade;
- Medicação só é entregue pela manhã;
- Curativos e outros procedimentos são feitos à tarde, pois a sala disponível não possui condições de ser usada e pela manhã todas as outras salas estão em uso;
- Energia fraca, não suporta todos os equipamentos ligados ao mesmo tempo;
- Não possui computadores;
- Internet paga por funcionários;
- Marcação é feita quando funcionários levam seus notebooks ou o atendido leva para marcar em casa;
- Não há ASG na Unidade;
- Não há regularidade na limpeza ao entorno da Unidade;
- Os funcionários não possuem fardamento ou material para trabalhar (há meses não recebem);
- 4 áreas descobertas, mesmo com 2 equipes de PSF.

UBS Raimundo Renê Carlos de Castro:

- 12 ACS – 2 Equipes de PSF;
- Farmácia Básica com 70% de sua capacidade;
- Falta medicação para HiperDia;
- 20% de Insulina necessária;
- Dois dentistas para uma Cadeira (cada turno, um atende, de segunda a sexta);
- População reclama de poucas vagas (4 vagas para extração e 2 para restauração);
- Dois médicos (Apenas um tem carro próprio e o utiliza para visitar os pacientes em domicilio, pois quase sempre falta carro da municipalidade para acompanhar a equipe de PSF);
- Nas sextas, são atendidas as Gestantes;
- Corriqueiramente tem faltado papel para impressão de receitas e exames;
- Funcionários utilizam suas impressoras em casa para facilitar o trabalho;
- Faltam luvas de procedimento, material de curativo e material para teste de glicemia;
- Falta material de limpeza;
- Não há telefone fixo e computadores;
- Ligações são feitas dos celulares dos próprios funcionários;
- Marcações são feitas nas casas dos funcionários
- Não há internet;
- Funcionários estão fazendo “vaquinha de dinheiro” para comprar material infantil para atendimento pediátrico;
- Não há Segurança.

UBS Sinharinha Borges:

- 2 Equipes de PSF;
- 2 dentistas e 2 médicas (Uma das médicas só atende duas vezes por mês, sendo ela mesma quem escolhe o dia de atendimento – Dra. Ellen);
- 16 fichas/dia;
- Os enfermeiros dividem a mesma sala;
- Sala de curativo disponível, porém sem material (caso o paciente traga o material, o curativo será feito);
- Farmácia Básica com 20% de sua capacidade;
- Sem HiperDia;
- Sem Analgésicos;
- Não há ASG na Unidade;
- Unidade é constantemente alvo de assaltos;
- Guarda Civil passa uma vez a cada expediente;
- Muitas Infiltrações e Portas sem tranca;
- Ar-condicionado com defeito no Consultório do Dentista, Sala da Assistência Social e Enfermagem;
- Internet paga pelos funcionários;
- Botijão de gás emprestado por uma das funcionárias;
- Água e café pagos pelos funcionários.

UBS Caic:

- Está alocada na UBS José Fernandes de Melo, pois a antiga sede não a comporta;
- Falta ASG;
- Falta Digitador para marcar exames;
- Faltam folhas timbradas e folhas de ofício;
- Faltam materiais de curativo;
- Falta funcionário para trabalhar no SAME.

Segundo exposição do vereador, o principal problema é falta de remédios elementares nas UPA’s, como Decadron, Prometazina, Hidrocortizona, Furosemida, Captopril, Soro Ringer Simples, Atrovent, Vitamina K, Transamim, Ipslon, Lidocaína Gel, ABD, Hiocina, Jelcos 22 e 24, Scalps 23 e 21, Seringa de 5ml entre outros.

Servidores se sacrificam

Nas UBS também é escassa a cobertura de remédios e outros insumos, como dificuldade para atendimento à procura por vários exames, como US abdômen total, US obstetra, Oftalmológicos, Dermatológicos, Endocrinológicos e pequenas cirurgias.

“Quem banca a saúde básica em Mossoró são os servidores, a dedicação deles, o sacrifício deles, até tirando dinheiro do próprio bolso”, desabafou Petras Vinícius.

Governo x oposição

Em seu pronunciamento, Petras foi aparteado por vereadores governistas, mas nenhum contestou suas palavras e relatório. Francisco Carlos (PP), por exemplo, admitiu que “esses problemas serão amenizados, mas não creio que serão plenamente solucionados”. Licitação em andamento, disse, vai atenuar parte dos problemas.

O oposicionista Raério Cabeção (PRB) contestou o discurso do governismo, assinalando que recursos orçamentários com Gabinete da prefeita Rosalba Ciarlini (PP) e com propaganda de seu governo, “vão continuar”, enquanto o povo seguirá sofrendo. E cobrou a imprensa para falar a realidade e a verdade e não apenas “dizer que o vereador não faz nada, não fala nada”.

Nota do Blog - O trabalho denominado "Marcha da Saúde", realizado pelos vereadores oposicionistas Petras Vinicius (DEM), Ozaniel Mesquita (PR), Rondinelli Carlos (PMN), Genilson Alves (PMN) e Raério Cabeção (PRB).