quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Prefeitura de Mossoró explica pagamentos atrasados de empresas terceirizadas

Compartilhar
Em reunião na controladoria da Prefeitura de Mossoró, hoje (18), uma comissão da Câmara Municipal de Mossoró, formada pelos vereadores Izabel Montenegro (presidente da Casa), Manoel Bezerra, Raério, Ozaniel Mesquita e Petras Vinícius, reforçou pleito pela atualização do pagamento dos servidores terceirizados do Município.

Acompanhado de trabalhadores, os parlamentares foram recebidos pela controladora geral da Prefeitura, Fátima Marques, e pelo secretário municipal de Planejamento, Aldo Fernandes, e relataram a continuidade de reclamação de servidores terceirizados, em razão de atraso de salários. Fala-se de até oito meses pendentes.

“Estamos preocupados e gostaríamos de saber a real situação. Profissionais terceirizados do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), por exemplo, continuam com salários atrasados e podem fazer uma paralisação. Se isso ocorrer, o Samu ficará comprometido, porque não teríamos servidores suficientes”, alerta o vereador Ozaniel Mesquita, também servidor do Samu.

Dívidas com terceirizados se arrasta desde 2015
(Foto: redes sociais)
Resposta

Fátima Marques disse ser pertinente a preocupação, e confirmou existência de dívidas da Prefeitura com empresas de terceirização de mão de obra, embora, segundo ela, o Município tenha pago mais de R$ 20 milhões para esse fim em 2017. “Esse montante teria dado para custear 14 meses de salários”, informou.

O problema, acrescenta a controladora, é que alguns dos pagamentos às empresas não chegam aos trabalhadores. “A Prefeitura faz os pagamentos, mas não tem como interferir na forma como empresas administram esses recursos”, explica.

Saídas

Para resolver o problema, Fátima Marques disse que o Município está construindo uma nova proposta de pagamento às empresas, já que o caso envolve recursos vultuosos, e revisando contratos de mão de obra terceirizada.

“Também estamos estudando alternativas para assegurar que o trabalhador receba o salário, quando a Prefeitura fizer o pagamento à empresa. A intenção é aplicar esses mecanismos nos novos contratos de terceirização do Município”, informa.

*Com informações da Assessoria de Imprensa