Mulheres e políticas públicas: mudar paradigmas para superar as desigualdades e ampliar o desenvolvimento - Blog Carol Ribeiro

sábado, 10 de novembro de 2018

Mulheres e políticas públicas: mudar paradigmas para superar as desigualdades e ampliar o desenvolvimento

Por Isolda Dantas

Em geral, nas análises sobre as mulheres em relação à conjuntura, é comum que a ênfase seja nos dados sobre opressão e carências vividas. Ou seja, o que lhes falta, os índices de maiores desigualdades em vários âmbitos, a violência, os problemas de saúde. O que prevalece é uma visão de que as mulheres são um grupo que está em uma posição de dependência, com uma vida bancada por alguém e que, portanto, contribui apenas de forma auxiliar, como uma ajuda, um complemento. Esta percepção, na verdade, está reforçando a visão de que uma família tem o homem como provedor e a mulher como a que cuida da reprodução, em casa.

A organização da vida e das políticas está baseada nessa suposta família patriarcal de homem provedor, em que o Estado atua como se sempre tivesse uma mulher disponível para complementar suas ações. O que temos é o não reconhecimento dos vários aportes das mulheres com o trabalho doméstico e de cuidados, com a gestão do acesso aos serviços públicos de saúde, educação. A desresponsabilização dos pais não é sequer algo de fato problematizada. Da mesma forma, a precarização do trabalho das mulheres não chega a ser olhada como um problema central. A divisão sexual do trabalho produz a desvalorização do trabalho das mulheres e atua como um elemento de pressão para a manutenção desse modelo, mesmo quando não há filhos.

Nesse texto, porém, queremos olhar para o lado real dessa situação. As mulheres contribuem muito mais que os homens para a produção da vida. Se tomamos as famílias com um casal de homem e mulher, mesmo com salários mais baixos, são as mulheres que esticam o dinheiro para dar conta de todas as despesas. Elas realizam o trabalho doméstico, são multifuncionais no cuidado para que tudo esteja organizado: o material escolar, o uniforme, as tarefas, as reuniões na escola, o agendamento de consultas, o acompanhamento das vacinas, a compra roupas, sapatos e sempre da maneira mais barata possível. E a lista poderia seguir quase interminável... Além disso, sempre estão atentas para ver se podem fazer um bico, complementar renda.

A pesquisa Mulheres e Trabalho, realizada pelo IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) 2016, mostrou que enquanto apenas 51% dos homens assumem os trabalhos domésticos e do cuidado, ficando a taxa em 90% quando se trata das mulheres. O tempo gasto por semana com afazeres domésticos é ainda maior entre mulheres negras e mais velhas. Em contrapartida, segue crescendo o número de mulheres que trabalham fora de casa e na produção de próprio consumo, como é o caso das mulheres rurais.

O Censo Agropecuário do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) de 2006, último que teve os resultados apurados e divulgados, afirmou que o setor agropecuário do Rio Grande do Norte mudou muito nos últimos anos e destacou a agricultura familiar como responsável por 1/3 da produção do setor. Nessa mesma pesquisa, foi possível identificar que as mulheres eram responsáveis por 12,68% dos estabelecimentos agropecuários da agricultura familiar. São muitos os exemplos disso: desde às agricultoras, apicultoras, pescadoras e artesãs às mulheres que assumem tantos postos no mercado informal com serviços e vendas de produtos.

Por tudo isso, acreditamos que é preciso pensar políticas públicas que potencializem o trabalho das mulheres na esfera da produção a ponto de permitir uma maior autonomia. É fundamental questionar a divisão sexual do trabalho, tanto em relação à desvalorização das atividades femininas, como pelo fato de as mulheres arcarem, sozinhas, com o trabalho doméstico e de cuidados. Se a política enxerga isso, é bom para as mulheres. Se é bom para as mulheres, é para o desenvolvimento do Rio Grande do Norte e do país.

* Isolda Dantas é vereadora em Mossoró e deputada estadual eleita pelo PT.



POLÍTICA

ECONOMIA

CAROL RIBEIRO RECOMENDA

Tags

95 FM Aeroporto Alex do Frango Allyson Bezerra ALRN Amélia Ciarlini APAMIM APRAM Beto Rosado Blog Carol Ribeiro Bolsonaro Bombeiros Brasil Câmara Federal Campanha Eleitoral Candidatos Carlos Eduardo Alves CEF Cenário Político Claudio Santos CMM Comentário Congresso Nacional Conversa de Alpendre Cultura Debate DEM Denúncia Deputados Estaduais Deputados Federais DETRAN-RN Dilma Roussef Direitos da Mulher Direitos Humanos Economia Educação Eleições 2016 Eleições 2018 Eleições 2020 Esporte Ezequiel Ferreira Fafá Rosado Fátima Bezerra Feminismo Fernando Mineiro Fora Temer Francisco José Junior Garibaldi Alves Gastos Públicos Governo do Estado Governo do RN Governo Federal Greve Guarda Municipal Gutemberg Dias Haddad Henrique Alves Herval Sampaio Horário Eleitoral Hospital da Mulher HRTM IFRN Impeachment Impugnação Infraestrutura Isolda Dantas Izabel Montenegro Jorge do Rosário Jório Nogueira Jornalista José Agripino Josué Moreira Justiça Criminal Justiça do Trabalho Justiça Eleitoral Justiça Federal Larissa Rosado Lava Jato LDO LOA Lula MCJ MDB Meio Ambiente Meio Dia Mossoró Michel Temer Ministério da Saúde Ministério Público Eleitoral Mossoró Mossoró Cidade Junina Movimento Estudantil MPF MPRN Mulher Natal/RN Nayara Gadelha Novo Eleitoral OAB Opinião Pagamento Paralisação PCdoB Pesquisa de Opinião Petrobras PF PHS Plenário TCM PM-RN PMDB PMM Polícia Civil Política Política cultural Política eleitoral Política social Políticas LGBTs Políticas Públicas para as Mulheres PR Presidência da República Prestação de Contas PREVI-Mossoró Previdência Social Prisão Propaganda Eleitoral PSB PSD PSDB PSL PSOL PT Reajuste Rede Redes Sociais Reforma da Previdência Renúncia Ricardo Motta RN Robinson Faria Rosalba Ciarlini Sandra Rosado Saúde Saúde da Mulher Secretária Estadual de Saúde Secretaria Estadual de Segurança Secretaria Municipal de Saúde Secretariado Segurança Senado Serviços Terceirizados Servidores Setor Salineiro SindGuardasRN Sindiserpum Sindsaúde/RN SINSP SINTE Solidariedade STF Styvenson Tapetão TCE-RN TCM Teatro Lauro Monte Tião Couto Tibau TJRN Trânsito e transporte TRE-RN TSE UERN UFERSA Vereadores Vice Violência contra a mulher