Hospital de campanha do RN não vai sair do papel

"Não tivemos proposta aprovadas para o hospital de campanha para o Arena das Dunas. Assim, no momento não temos previsão em relação a esse equipamento. Seguem em curso as outras estratégias de expansão de leitos".

Foi o que afirmou o secretário estadual de Saúde, Cipriano Maia, ao Blog Carol Ribeiro.

Na última quinta-feira (16), o Governo do RN divulgou que "restou infrutífera a chamada pública que ergueria um hospital de Campanha na Arena das Dunas". Vale ressaltar que esta já se tratava da segunda chamada. A primeira, realizada duas semanas antes, também não obteve sucesso.

Desta forma, o secretário explica que o Governo deve trabalhar na estruturação da rede hospitalar que já existe. "É o que estamos fazendo em todas as regiões conforme plano de contingência. Os leitos suplementares sejam em hospitais filantrópicas ou privados, bem como nos hospitais de campanha são necessários para incrementar leitos num cenário de rápida expansão de casos não suportados na rede já instalada", diz.

De acordo com o gestor, a ocupação prevista será progressiva se iniciando pelos leitos públicos. 

Mais um plano de tornar útil a Arena das Dunas é descartado
(Foto: Ney Douglas)

Chamamento descartado

As justificativas para o insucesso do chamamento apontadas pela gestão foram a desclassificação de algumas por fugirem ao objeto do contrato e a apresentação de valores superiores aos praticados no mercado pelas empresas habilitadas - algumas delas superiores aos R$ 60 milhões.

Para o Governo, "além de serem inadequadas com a racionalização da despesa pública, seria incompatível diante da realidade orçamentária do estado".

Liga contra o Câncer

Em anúncio sobre descarte de Hospital de Campanha, o Governo destacou parceria para leitos e gestão com a Liga Norte-riograndense contra o Câncer. O acordo firmado na manhã desta quinta-feira (16) contrata a instituição de filantropia em todos os seus serviços, pelo período de 6 meses e um valor total de até R$ 40 milhões.

Segundo o anúnico, isso não quer dizer que o Estado importará a totalidade dos valores, uma vez que somente pagará pelo serviço prestado. Serão disponibilizados 60 leitos, sendo 40 de UTI.

Essa ação se restringe à região metropolitana de Natal.

POLÍTICA

ECONOMIA

MULHER

CULTURA

CAROL RIBEIRO RECOMENDA