sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Suposta aliança entre Francisco e Tião Couto é citada pela primeira dama em áudio vazado

Compartilhar
Mostrando-se um cabo eleitoral às avessas, como se já não bastasse o chororô que empurrou o marido para baixo (veja aqui e aqui), agora a primeira dama municipal coloca em maus lençóis o candidato Tião Couto, tido, até agora, como seu adversário. 

Segundo o jornalista Dinarte Assunção, do Portal No Ar, Amélia Ciarlini aparece em uma gravação vazada expondo aliança entre Silveira, o Francisco, e Tião Couto.

Os mossoroenses já cogitavam que pudesse acontecer, diante do quadro atual da campanha, a desistência de Silveira e o apoio velado ao candidato Tião. Segundo as gravações, o fato, na verdade, já acontece, mas de uma outra maneira.

Os dois candidatos teriam acordado não atacarem um ao outro, nem política nem jurídicamente, se utilizando de estratégias para "crescerem" e evitar a volta dos Rosado à prefeitura.

O áudio teria sido gravado na casa do próprio prefeito, em uma reunião entre Amélia Ciarlini, o coordenador de campanha Neto Queiroz, Frederick Escóssia, nome de confiança de Silveira, e uma outra mulher não identificada. 

Confira o conteúdo de alguns trechos da gravação:    


FREDERICK ESCÓSSIA […] Eu acho que é uma deixa.

AMÉLIA CIARLINI: Peraí, deixa eu dizer aqui uma coisa. Eu num vou bater em Tião também.

FREDERICK: Não é…

AMÉLIA: Nós vamos falar de Tião também. Porque a gente não falou de Tião e já tem quatro dias que ele tá na frente da UBS [unidade básica de saúde].

NETO QUEIROZ: Na frente da UBS?

MULHER NÃO IDENTIFICADA: No programa eleitoral dele 

AMÉLIA CIARLINI: Eu não tenho pra que mentir e não minto pá [sic] ninguém, e é por isso fiz aquele vídeo. Existe um pacto entre Tião e Silveira, certo? Tanto jurídico como político. Esse pacto é… você… Quem tiver melhor, certo, faz a junção. Para não morrer e os Rosado não voltar [sic]. Não existe uma nem certa nisso. Tudo pode mudar.

NETO QUEIROZ: […] Nenhuma agressão entra. Nem nós batemos em Tião nem Tião bate na gente. Nem juridicamente a gente aciona eles em nada nem eles acionam a gente em nada. E nem a gente agride de lá e nem ele agride de cá. O nosso objetivo comum é Rosalba.

(...) 

AMÉLIA: Tião não está jogando com os vereadores. Tá jogando com as bases, indo direto pro dinheiro. Então, ou seja, a gente cresce no nosso discurso e ele cresce em cima de Rosalba. Ok?

Consequências jurídicas 

De acordo com juristas consultados pelo Blog, o conteúdo da conversa pode gerar ação por abuso de poder econômico, podendo se caracterizar também como compra de voto. Já outros estudiosos do direito afirmam que não há elementos suficientes para tal. 

*Veja reportagem completa e ouça os aúdios do Portal No Ar aqui.