Banner CMM

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

"Não devo ser crucificado por uma ideia", afirma Claudio Santos

Compartilhar
O presidente do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte, desembargador Claudio Santos, afirma que a defesa que fez pela privatização da UERN (veja aqui), é apenas sua opinião pessoal, "uma ideia".

"Eu fui convidado a dar uma opinião sobre isso. Não mereço ser crucificado por conta dessa posição ideológica", defende.

A explicação foi feita por telefone, ao Blog, na tarde de hoje.

Claudio Santos diz que sua opinião é ser favorável à privatização da Universidade do Estado do RN para redução de despesas. Ele defende o pagamento de uma bolsa de estudos a todos os estudantes pobres, não só na UERN, mas em todas as universidades públicas. "Tem que avaliar que os estudantes que podem pagar são financiados por toda a população na instituição pública".

A privatização, segundo o desembargador, traria uma redução de custos de R$ 317 milhões ao Governo, baseado no orçamento da UERN em 2016. Para ele, a redução seria do custeio e também da folha de pessoal, já que o remanejamento do pessoal da UERN transferiria essa parte da folha para o orçamento de outros orgãos do RN. 

Apesar de afirmar ter sido chamado a dar opinião, o presidente do TJ não acredita que seu posicionamento possa influenciar qualquer decisão do governador Robinson, até porque "ele já se declarou contra, que arranje dinheiro para manter".

Claudio Santos e Robinson Faria

O presidente do TJRN expõe que uma grande parte da equipe do governador Robinson Faria concorda com ele quanto à privatização. "Não posso dizer se é 70, 80 ou 90%, mas uma grande parte. E não é só a UERN, também a CAERN, Potigás e outros bens imóveis do estado, que já estão com projeto na Assembleia [Legislativa]".

Ele garante que o trabalho com a equipe do governador Robinson Faria para a definição do utilização do dinheiro a ser emprestado pelo TJRN ao Governo do Estado ainda não começou (veja aqui).

"Ainda vamos propor ao plenário um anteprojeto de lei, para que a gente possa aprovar e levar à Assembleia, priorizando áreas como saúde, inclusive com a reabertura do Hospital da Mulher, e um pouco a segurança", explica.

Nega, entretanto, qualquer indício de que seria o candidato Plano B de Robinson ao Governo do Estado para 2018. 

"Eu não penso absolutamente em ser candidato a nada, não tenho pretensão político-eleitoral. Eu vou ficar aqui no TJ mesmo", assegura.

O desembargador Claudio Santos finaliza com bom humor, e afirma: "Mossoró é a terra da liberdade, posso dar a minha opinião pessoal".

A visita de Claudio Santos em Mossoró acontece nesta terça-feira. Entre outras atividades, o desembargador participará do programa Cenário Político, da TCM, às 18h40.