quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Vereadores de Mossoró decidem não demitir seus assessores

Compartilhar
Foto: Portal Difusora
Depois da reunião à portas fechadas realizada na última terça-feira (22), a Câmara Municipal decidiu o que fazer para solucionar a polêmica orçamentária.

Inicialmente, o presidente da casa, Jório Nogueira (PSD), sugeriu a demissão de sete dos oito assessores de cada um dos vereadores para sanar problemas no orçamento.

O presidente da CMM alegou, apoiado em dados dos técnicos da casa, que o déficit de R$ 500 mil, que recebeu da gestão do ex-presidente Francisco Carlos (PP), cresceu para R$ 1,5 milhão.

Os vereadores discordaram e questionaram sobre a verba de gabinete, que não é paga desde abril. Segundo eles, uma economia de R$ 186 mil por mês.

Mas a reunião tensa, de ânimos alterados, terminou por resolver a situação.

Os vereadores definiram que não vão demitir os assessores. Os salários que até agora não foram pagos, devem ser repassados nos próximos dias.

De acordo com um dos vereadores, para o equilíbrio orçamentário a Câmara deve efetuar o corte de contratos e pagamentos de fornecedores, o que deve gerar uma economia de cerca de R$ 130 mil.

Uma outra parte deve depender do reconhecimento, por parte da Prefeitura, de débito no repasse do duodécimo à Câmara de Mossoró. Segundo os vereadores, o débito é reconhecido pelo Tribunal de Contas do Estado, que já recomendou o pagamento. O valor é de R$ 220 mil.