terça-feira, 29 de maio de 2018

Pregão do Cidade Junina segue em silêncio e sem definição

Compartilhar
(Foto: PMM)

O processo para contratação de empresas de montagem, manutenção e desmontagem de estruturas, sonorização e iluminação e decoração do Mossoró Cidade Junina (MCJ) 2018 segue encoberto pelo silêncio. Mas vem barulho por aí.

Um grupo de concorrentes entre os 22 que participam do pregão nº 08/2018, suspenso dia 11 passado, vai formalizar denúncia de irregularidades ainda esta semana ao Ministério Público do RN (MPRN).

Sem publicização

A gestão municipal não presta qualquer esclarecimento público sobre o andamento ou emperramento do pregão. Não há nada no portal da Prefeitura, nenhum porta-voz do governo presta esclarecimentos. A prefeita é inalcançável pela imprensa ou só fala o que é previamente acertado.

A suspensão do pregão ocorreu devido denúncia de irregularidades, que tornaram impossível a sua sequência. Passaram-se 18 dias e nada mais foi publicizado, como é uma exigência.

Nota do Blog Carlos Santos – Até o momento, faltando pouquíssimos dias para início do MCJ 2018, quase nada existe de definição quanto à sua estrutura. Fenômeno ainda mais delicado do que aconteceu na gestão passada.

O estranho é o silêncio da opinião pública e da maioria da imprensa, que anteriormente era combativa e denunciadora de desorganização e supostas fraudes.

Mossoró é realmente um país à parte. Terra sem lei.