quinta-feira, 18 de outubro de 2018

Apesar de dianteira, Fátima Bezerra sofre com discurso anti-petista no RN

Compartilhar
(Foto: PT/RN)
No primeiro turno Fátima Bezerra (PT) passou quase intocada. A disputa entre Carlos Eduardo (PDT) e Robinson Faria (PT) a livrou do embate direto com um dos dois candidatos, permanecendo à frente no pleito.

Cerca de 13 pontos percentuais separaram os dois candidatos no segundo turno, com Fátima na dianteira, com 46,17% dos votos válidos e Carlos Eduardo com 32,45%.

Passada a primeira etapa da disputa e uma semana da campanha de segundo turno, a candidata do PT vê o seu opositor avançar. A pesquisa IBOPE, divulgada na noite desta quarta-feira (17) os separa em oito pontos percentuais das intenções de votos válidos.

Carlos Eduardo conseguiu como trunfo a transferência de votos dos eleitores do candidato à presidência Bolsonaro (PSL), adeptos do anti-petismo.

Já Fátima, que na pré-campanha priorizou por muito tempo às questões nacionais, continua mantendo o comportamento do primeiro turno e quase não bota a campanha de rua nos municípios. Conseguiu o apoio de prefeitos, mas até agora, ao final da segunda semana das três de campanha do segundo turno, ainda não pisou em Mossoró, por exemplo, e nem se viu movimentação de rua de apoiadores. O mesmo se tem notícia por outros municípios. 

Apesar da dianteira se manter nas pesquisas, a candidata tem o desafio de enfrentar a disputa petismo x anti-petismo. 

Com a ameaça iminente, não basta se manter onde está. A busca pela vitória impõe a Fátima ir às ruas e tentar dividir a disputa entre oligarquia e anti-oligarquia.