segunda-feira, 6 de maio de 2019

Revisão de fornecedores, contratos e de vagas é solução cogitada por IF

Compartilhar
IFRN forma cerca de 7 mil alunos por ano
(Foto: Alberto Medeiros)
"Esse corte é o maior em percentual que o IF já teve, e foi feito de forma imediata". Esse é o impacto exposto pelo diretor do IFRN campus Mossoró, Jailton Barbosa, em participação agora há pouco no programa Cenário Político (TCM Telecom).

O professor explica que não houve como o Instituto se planejar para o bloqueio realizado pelo Governo Federal, uma vez que foi feito abruptamente, logo que anunciado pelo Ministério da Educação, na última quinta-feira (02). No IFRN, o corte foi de cerca de 38% do recurso anual. "Com R$ 28 milhões bloqueados nós teremos que repensar fornecedores, contratos, terceirizados e aulas de campo. 60% dos nossos estudantes são do ensino médio. É possível que haja redução da oferta de vagas", afirma.

Classe política

Parte da classe política do Estado e entidades estão em busca de reverter a situação junto ao Governo Federal. Além da mobilização do Fórum de Reitores de instituições públicas do RN, o deputado estadual Francisco (PT) também se pronunciou sobre o assunto, afirmando que é  importante a reflexão sobre a redução de investimentos na Educação, que nos últimos anos já cortou 56%.

O deputado Allyson Bezerra (SD) está entre os que defendem a mobilização da bancada federal em torno do tema. Já a vereadora Sandra Rosado (PSDB) cobrou da bancada federal do Rio Grande do Norte posicionamento mais firme no Governo Federal.

#tireamãodomeuIF

A União Brasileira de Estudantes Secundaristas (UBES) lançou a campanha #TIREAMÃODOMEUIF, fazendo referência ao corte de 30% no orçamento dos institutos federais de educação, anunciado pelo governo. Em um vídeo gravado pelo presidente da entidade, Pedro Gorki, a entidade conclama os estudantes a gravarem e postarem vídeos em suas redes sociais dizendo porque o Instituto Federal onde estuda é importante para a comunidade e para o país.

Além disso, a entidade convida os estudantes a participarem da Greve Nacional da Educação, prevista para próximo dia 15 de maio.