sábado, 8 de junho de 2019

A camisa da seleção hoje é pano de piquenique de uma família ouriçada

Compartilhar
(Foto: reprodução)

Milhares de páginas de jornais e revistas detalham a vida extra campo de Neymar. Tite tira a chupeta do menino, mas consola com um abraço. Consola com defesas e com silêncio. Uma braçadeira de capitão veste bem uma criança? De forma alguma. Fez o certo como paizão que é, executou errado como paizão que é também.

Holofotes nos treinos? e em viaturas entrando na granja Comary. Uma simples caneta "mal interpretada" de um menino da base gera polêmica. Um vestiário onde qualquer um entra, que deveria ser o lugar sagrado apenas dos protagonistas do jogo. Hoje, "a casa da mãe joana".

Esta é a seleção de Tite. Um bom técnico, um pai que se perdeu em meio a tentativa de disciplinar seu filho mais enérgico. Colocará um "anda já" no time para viver agora sem a dependência de sua estrela?

Ah, mas além do pai Tite, tem os titios. Aqueles que também complicam a situação. Vivem com sorrisos pomposos o titio Caboclo e o titio Gaspar. Dão tapinhas nas costas e afirmam: "é só um bom garoto aprendendo a viver". Um "garoto" de 27 anos de idade.

Mas essa família só tem esse filho pra se falar tanto dele? Não, tem outros adotivos. Melhor dizendo, convocados. Mas estes, com a mesma idade, parecem andar bem com seus próprios pés, sem precisar dos tapinhas diários dos seus mestres em salas de imprensa. Sem pirraças, brincam entre si.

A seleção virou a casa de uma família problemática. Onde o pai Tite perdeu a condução, a mãezona CBF só acena e bate palmas e os demais integrantes seguem o bonde fora dos trilhos.

Pobre dos jogadores que sonham ou sonhavam defender a camisa canarinha. Hoje pano de piquenique de uma relação embaraçosa entre pais, filhos e a ausência de verdadeiras lições. De uma família verdadeiramente ouriçada.

Em meio a isso, estamos perdidos.

*Larissa Maciel é formada em Jornalismo pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), é mossoroense, repórter e apresentadora da TCM Telecom e 95 FM, crescida entre fãs de esporte, jornalista por vocação e analista de esporte por amor à esta área da profissão em específico.