O Potiguar virou time da capital e ninguém foi avisado

Por Larissa Maciel*

Em Mossoró pouco se escuta sobre o Potiguar. O que se sabe quanto a nova realidade dos atletas do elenco, só se for diretamente a eles. Com toda certeza, outros integrantes da imprensa da cidade já devem ter recebido esta pergunta durante a paralisação do campeonato: alguma novidade sobre o Potiguar?

Presidente do Potiguar foi eleito o melhor dirigente do Campeonato Estadual de 2019 pela FNF
(Foto: web)


Pois bem, parece que se você quer ter informações oficiais através do presidente do clube, só se for da imprensa natalense. Benjamim Machado tem concedido entrevistas com toda pompa aos colegas da capital, mas muito antes da pandemia chegar por aqui, decidiu que ninguém do clube concederia mais entrevistas pelas críticas feitas ao planejamento deste ano.

Com essa atitude, como a imprensa mossoroense já frisou em vários canais de comunicação, quem perde é o clube. Perde a vitrine da TV, o espaço dos blogs, a voz no rádio. Perde o torcedor que já está afastado pela descrença que a equipe deixou este ano. Nós seguimos apurando nos bastidores. Informação não para.

Wilson, Série D, pretensões do Campeonato Estadual, tudo vem à tona. À 98 FM de Natal, o presidente alvirrubro afirma que o clube “se mantém atento quanto ao retorno”. Até pitacos sobre a chuva no Oeste deu. A imprensa mossoroense, nenhuma palavra.

Cabe aqui dizer também que até mesmo os jogadores estão sem um posicionamento concreto e buscam a imprensa pra receber novidades. Notoriamente, como precisam de seus empregos, já buscam outras alternativas em meio a indecisão ou melhor dizendo inércia.

Se o Potiguar virou time da capital que avise. Pelo menos para seu torcedor que tem direito de saber o que acontece no clube.

*Larissa Maciel é formada em Jornalismo pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), é mossoroense, repórter e apresentadora da TCM Telecom e 95 FM, crescida entre fãs de esporte, jornalista por vocação e analista de esporte por amor à esta área da profissão em específico. 

POLÍTICA

ECONOMIA

MULHER

CULTURA

CAROL RIBEIRO RECOMENDA