RN tem o 3º menor efetivo de delegados do país

Um levantamento feito junto às entidades que representam delegados de polícia em todo o país, expõe uma triste realidade da nossa segurança pública, e que certamente reflete nos alarmantes números da violência nas cidades potiguares: o Rio Grande do Norte tem o terceiro menor efetivo do Brasil, em números absolutos. Quando feita a proporção da quantidade de delegados por habitante, o RN fica em quarto lugar.

Segundo a Associação de Delegados de Polícia do RN (Adepol/RN), isso ocorre porque o estado já está há mais de dez anos sem realizar concurso para a carreira, como também para agentes e escrivães. O último certame para a  Polícia Civil teve o edital lançado em 2008 e concluídas suas etapas em outubro de 2010.

Em dados obtidos pela Adepol junto ao setor de pessoal da Polícia Civil, de 2008 para cá, 82 delegados se aposentaram. Além disso, existem hoje 29 delegados aptos a se aposentarem e mais 11 nos próximos três anos. Em contrapartida nesse mesmo período, apenas 83 foram empossados e alguns deles, já solicitaram exoneração, assim como muitos outros que decidiram deixar a Polícia Civil para assumir vagas conquistadas em outros concursos. 

(Foto: web)

Déficit

O déficit na Polícia Civil do Rio Grande do Norte é histórico. A instituição funciona hoje com cerca de um terço do efetivo necessário, criado por lei. “O concurso para provimento dos cargos é vital para a instituição. A criminalidade só aumenta, e nosso efetivo, só diminui. Não fosse a abnegação e os esforço dos nossos policiais, a situação estaria muito pior, pois é fato que a sobrecarga de trabalho dificulta a prestação do serviço no nível que a população precisa e merece”, avalia a presidente da Adepol/RN, delegada Taís Aires. 

O processo para realização do concurso tramitava há anos e sempre foi um pleito da associação dos delegados. Ocorre que no início do ano, o Governo do Estado optou por começar tudo “do zero”, ocasião em que a governadora Fátima Bezerra chegou a anunciar edital, em abril deste ano, o que até agora não ocorreu. Atualmente, o processo está na Secretaria de Administração aguardando definição da banca.

POLÍTICA

ECONOMIA

MULHER

CULTURA

CAROL RIBEIRO RECOMENDA