Com data para retorno das aulas, sindicato ameaça greve

Na coletiva de hoje (03), o Governo do Estado anunciou o retorno das aulas no Rio Grande do Norte para o próximo 5 de outubro.

O Sindicato dos Trabalhadores da Educação (Sinte/RN) se pronunciou contra o retorno neste momento e anunciou que se as datas forem confirmadas vai ser anunciada greve.

A entidade, no entanto, defende a necessidade de discutir e planejar a organização das escolas para o momento do retorno.

"Compomos, com outras entidades, um comitê que trata desse plano de retorno. Temos visto no comitê a posição responsável das entidades em serem contrárias ao retorno. Assim como nós, também entendem que isso não é motivo para que não haja planejamento do retorno. Planejar é essencial para prever e organizar os espaços para um novo contexto. Entendo que isso também é uma contribuição para que trabalhadores/as da educação não venham a desenvolver doenças psicossomáticas devido ao terror que falsas informações podem trazer", disse em nota Bruno Vital, coordenador geral interino do Sinte.


(Foto: Magnus Nascimento)

Governo e protocolo de segurança

O governo anunciou que um novo decreto estadual irá sair na próxima semana e o Comitê Cientifico recomendará os protocolos de retomada que deverão ser seguidos pelas redes de ensino. 


O secretário de Estado da Educação, Getúlio Marques, anunciou hoje (03) a data de 5 de outubro como referência para o retorno das aulas presenciais nas redes pública e particular. A data ultrapassa em duas semanas do que está descrito no decreto atual (que previa uma possibilidade do retorno das atividades escolares de forma presencial para 18 de setembro).

No entanto, segundo o Governo, a retomada depende do cumprimento, por parte dos estabelecimentos escolares, de protocolos sanitários definidos pelas secretarias estaduais de Saúde e de Educação, com base na recomendação do comitê científico local. 

A prioridade de retorno será para alunos de séries finais (9º ano do ensino fundamental e 3º ano do ensino médio) e limitada 30% dos alunos totais de um estabelecimento escolar.

POLÍTICA

ECONOMIA

MULHER

CULTURA

CAROL RIBEIRO RECOMENDA