Mulheres vítimas de violência estão entre as que mais perderam emprego na pandemia

Compartilhar

Vereadora em Mossoró utilizou dados brasileiros para pedir maior rede de proteção à mulher no município

Campanha 'Sinal Vermelho' ajuda mulheres a pedir socorro de maneira discreta (Foto: Antonio Marcio/PMMI)

O RN foi o estado onde os índices de feminicídio mais cresceram durante a pandemia. Das mulheres mortas no último ano, 70% morreram dentro de suas casas. Os dados foram citados pela vereadora Larissa Rosado (PSDB) na sessão ordinária desta terça-feira (08) na Câmara de Mossoró.

A vereadora se referiu à necessidade de ampliar a rede de proteção à mulher vítima de violência no município. "Toda a sociedade é rede de proteção", disse.

Para tratar do tema, ela se referiu à terceira edição da pesquisa “Visível e Invisível: a Vitimização de Mulheres no Brasil", realizada pelo Instituto Datafolha, encomendada pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) e divulgada nesta segunda-feira (7).

A pesquisa mostrou que uma em cada quatro mulheres acima de 16 anos afirma ter sofrido algum tipo de violência no último ano no Brasil: cerca de 17 milhões de mulheres (24,4%) sofreram violência física, psicológica ou sexual no último ano, porcentagem que representa estabilidade em relação à pesquisa de 2019.

Segundo a sondagem, os fatores causadores da violência durante a pandemia no Brasil foram:

Perda de emprego ou impossibilidade de trabalhar para garantir renda - 25,10%

Maior convivência com o agressor - 21,80%

Dificuldade de ir até a Delegacia da Mulher, Polícia ou outros locais que funcionam como rede de proteção - 9,20%

Dificuldades para encontrar pessoas que poderiam auxiliar na situação de situação sofrida - 6,90%

Outros - 10,10%

Na pesquisa, 50,8% das mulheres que sofreram violência disseram acreditar que a pandemia agravou de algum modo a violência que sofreram.

Em 25,4% dos casos, o agressor era o companheiro ou namorado, em 18,1% era o ex-parceiro, e 48,8% das agressões aconteceram dentro de casa.

Empregos

As mulheres vítimas de violência no Brasil estão entre as que mais perderam renda e emprego na pandemia.

Entre as mulheres que afirmam ter sofrido algum tipo de violência no último ano, 46,7% também perderam o emprego neste período. Já entre as que não sofreram agressões, a média cai para 29,5%. Entre as vítimas de violência, 61,8% disseram que a renda familiar diminuiu na pandemia. Das que não sofreram agressões, este percentual foi de 50%.

A pesquisa  ouviu 2.079 mulheres acima de 16 anos entre os dias 10 e 14 de maio deste ano, em 130 municípios do país. As respostas tinham como referência o período dos 12 meses anteriores à pesquisa.

Câmara Municipal

Na sessão do parlamento municipal mossoroense, os vereadores Marleide Cunha (PT), Carmem Julia (MDB) e Tony Fernandes (SDD) fizeram coro à fala da vereadora Larissa.

Na mesma sessão, a vereadora Carmem Julia apresentou Projeto de Lei que dispõe sobre a proibição da nomeação ou contratação para cargos e empregos públicos de condenados por crime sexual contra criança ou adolescente. O PL foi encaminhado ao setor de comissões.

Já o vereador Tony Fernandes informou sobre a solicitação de uma viatura da Maria da Penha estadual, para que a PM faça o reforço junto à Guarda Municipal em Mossoró.

O telefone da Patrulha Maria da Penha no município é 153.

*Com informações do G1, Datafolha e Blog Carol Ribeiro. 

Compartilhar

0 comentários em "Mulheres vítimas de violência estão entre as que mais perderam emprego na pandemia"

Postar um comentário

Postagens anteriores → ← Postagens mais recentes
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial
CAROL RIBEIRO RECOMENDA