Janela partidária deve mexer com mais de 1/3 da Assembleia Legislativa

Compartilhar

Do Blog Cesár Santos/DeFato: A partir desta quinta-feira, 3, e até o dia 1º de abril, deputados e deputadas federais ou estaduais poderão trocar de partido sem perder o mandato. 

(Foto: ALRN)

São protegidos pela janela partidária, que faz parte do calendário eleitoral e está prevista na Lei das Eleições (Artigo 93-A da Lei 9.504/1997) e regulamentada pela Reforma Eleitoral de 2015(Lei 13.165/2015). 

No Rio Grande do Norte, a janela partidária promete mexer com pelo menos um terço na Assembleia Legislativa. Partidos como o PL, Pros, DEM, PSD e Republicanos devem sofrer alteração em seus quadros. As mudanças levarão em conta, principalmente, os interesses individuais dos parlamentares, uma vez que eles buscarão as melhores condições para conseguirem a reeleição.

O segundo ponto que será levado em conta são as alianças na disputa majoritária. Deputados e deputadas vão observar as composições partidárias nos palanques de governo e oposição. Essa preocupação, porém, terá peso secundário. Os parlamentares priorizarão mesmo as suas reeleições.

O PL é o partido que corre o risco de perder toda a bancada na Assembleia Legislativa, isso porque os seus três deputados pretendem seguir com a governadora Fátima Bezerra (PT), enquanto a sigla liberal tende apoiar um candidato a governador da oposição. Os deputados George Soares, Kleber Rodrigues e Ubaldo Fernandes já comunicaram ao presidente estadual do PL, deputado federal João Maia, a possibilidade de mudança.

Uma das alternativas do trio liberal é o PSB, partido alinhado com o governo estadual e que pode formar federação partidária com o PT, PCdoB e PV. A federação permitiria a formação de uma chapa proporcional forte, capaz de facilitar a reeleição de George, Kleber e Ubaldo. No entanto, mesmo que a federação não seja concretizada, a mudança para o PSB é quase uma certeza.

Já o PSDB, do presidente da Assembleia Legislativa e eventual candidato a governador, Ezequiel Ferreira de Souza, trabalha para acolher deputados estaduais em um “chapão”. A sigla receberia parlamentares de outros partidos que não conseguirão formar nominatas. Recentemente, Ezequiel chegou a afirmar que o PSDB estava se articulando para ter 12 candidatos à reeleição. Atualmente, o partido tem os deputados Gustavo Carvalho, Tomba Farias, Raimundo Fernandes, José Dias e Ezequiel, e receberia deputados como Albert Dickson, que sairia do Pros; Jacó Jácome, do PSD; Getúlio Rêgo, do DEM, entre outros.

Ezequiel também abriu diálogo com João Maia na tentativa de o PSDB receber os três deputados liberais: George, Kleber e Ubaldo, e em contrapartida fortaleceria a chapa federal do PL para viabilizar a reeleição de Maia. A negociação, porém, esbarra na resistência dos parlamentares do PL de somar com a oposição.

A deputada estadual Eudiane Macedo já avisou que deixará o Republicanos. A sua nova casa partidária poderá ser o PSB, uma vez que a parlamentar segue a base de sustentação política da governadora Fátima.

Outro que provavelmente mudará de partido é o deputado Vivaldo Costa. Filiado ao PSD, mas apoiador do governo estadual, o líder seridoense buscará um partido alinhado à governadora, podendo ser o PSB. A sua decisão, porém, dependerá da construção de uma nominata que facilite a sua reeleição.

Deputados estaduais que podem mudar de partido

- George Soares, Kleber Rodrigues e Ubaldo Fernandes

Partido atual: PL

Destino possível: PSB

- Jacó Jácome

Partido atual: PSD

Destino possível: PSDB

- Vivaldo Costa

Partido atual: PSD

Destino possível: PSB

- Eudiane Macedo

Partido atual: Republicanos

Destino possível: PSB

- Albert Dickson

Partido atual: Pros

Destino possível: PSDB

- Getúlio Rêgo

Partido atual: DEM

Destino possível: PSDB ou Progressistas

Compartilhar

0 comentários em "Janela partidária deve mexer com mais de 1/3 da Assembleia Legislativa"

Postar um comentário

Postagens anteriores → ← Postagens mais recentes
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial
CAROL RIBEIRO RECOMENDA