quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

Robinson Faria admite investigação, mas nega busca e apreensão em seus endereços

Compartilhar
(Foto: TN)
A imprensa nacional amanheceu com a notícia do cumprimento de mandados de busca e apreensão, pela Polícia Federal, em endereços do Ministro da Ciência e Tecnologia, Gilberto Kassab (PSD), e em Natal, em propriedades do governador Robinson Faria. 

A PF cumpriu mandados autorizados pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal. A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, disse, em documento enviado ao STF, que há suspeitas de que executivos do frigorífico JBS repassaram R$ 58 milhões ao ministro da Ciência e Tecnologia, Gilberto Kassab, e ao PSD, partido fundado por ele.

Repasses

O ministro passou à condição de investigado após os executivos da JBS Wesley Batista e Ricardo Saud narrarem, em delação premiada, pagamentos a ele em troca de apoio político enquanto ele era prefeito de São Paulo e, depois, como ministro de Estado, além de apoio ao PT na disputa presidencial de 2014. O valor, segundo o documento, seria uma mesada de R$ 350 mil entre 2010 e 2016, totalizando cerca de R$ 30 milhões.

Os delatores afirmaram que o valor foi repassado ao diretório nacional do partido, e tinha como destino as campanhas políticas do governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria, e de seu filho, o deputado federal Fábio Faria.

*Com informações do G1/RN

Robinson

O advogado do governador Robinson Faria emitiu uma nota sobre o assunto:

Importante esclarecer a opinião pública que nenhum endereço do governador Robinson Faria foi alvo de busca e apreensão nesta quarta-feira.

Com relação à investigação sobre doações da JBS, segue a tramitação do procedimento para apuração de possível crime eleitoral, conforme determinado pelo STF.

Registro, finalmente, que Robinson Faria tem 32 anos de vida pública, tendo pautado sua carreira pela ética e correção.

José Luis Oliveira Lima