Carlão de Souza é um professor que se vai

(Foto: redes sociais)
O Carlos de Souza, Carlão - como era chamado carinhosamente por todos - não era só um dos jornalistas mais respeitados do Rio Grande do Norte, era um professor. Não somente no sentido literal. 

Mesmo fora dos bancos universitários - onde tive a honra de cruzar com ele como aluna na UFRN - foi um exemplo vê-lo como ser humano admirável que era, manso e ao mesmo tempo questionador das coisas do mundo, amante de leitura, da filosofia, da boemia e da vida. Vá em paz, mestre.   

Carlos de Souza

Carlão morreu nesta sexta-feira (16), em Natal. Tinha 60 anos e lutava contra um câncer.

Passou pelos principais jornais do Rio Grande do Norte. Foi repórter, editor e colunista na Tribuna do Norte, atuou no Diário de Natal, TV Cabugi e assessoria de campanhas políticas. Também era autor de livros.

*Com informações da Tribuna do Norte

POLÍTICA

ECONOMIA

MULHER

CULTURA

CAROL RIBEIRO RECOMENDA


  • Absolutismo
    A máquina de moer reputações, subjugar opositores e manipular gente trabalha a pleno vapor em Mossoró. Campanha eleitoral é um vale tudo para quem está ent...
    Há 3 horas