Prefeitura inicia pagamento com contenção

O pagamento dos servidores municipais vai iniciar hoje (29), começando pelos aposentados e pensionistas. 

O pagamento escalonado é uma medida de adequação às receitas municipais, que sofreram forte queda, em razão da diminuição da atividade econômica em todo o país, devido a pandemia do coronavírus. 
Segue o calendário de pagamento dos servidores 
29/04 – aposentados e pensionistas 
30/04 – servidores da saúde 
04/05 (1º dia útil) - servidores da educação 
05/05 (2º dia útil) - servidores do Desenvolvimento Social e Serviços Urbanos 
Até o dia 08/05 (5º dia útil) – servidores das demais secretarias.

(Foto: web)

Contenção de gastos


“Aguardamos as medidas econômicas e financeira de auxílio a Estados e Municípios, que estão sendo discutidas em Brasília, e esperamos que possam chegar o quanto antes amenizar a abrupta perda de arrecadação, estimada em mais de R$ 10 milhões por mês( cerca de 30% do orçamento), pelos próximos três meses. Apenas a recomposição do FPM (que também teve queda) não é suficiente”, diz a prefeita Rosalba Ciarlini. 
Além do escalonamento, outra das medidas de ajuste adotadas foi o adiamento da antecipação do décimo terceiro salário para os aniversariantes de cada mês, que serão pagos no final do ano.

O pagamento do retroativo ao piso salarial dos professores, que seria pago em abril, também teve de ser adiado e será anunciado em momento oportuno, especialmente devido a queda da receita do FUNDEB, afetada em todo o país. 

A concessão de férias e outras licenças foram suspensas, como medida de redução de impacto financeiro, conforme já constava em decreto, além de adotar o trabalho remoto e banco de horas, diminuindo os custos fixos de energia elétrica, telefone, material de expediente, combustíveis, manutenção de equipamentos, dentre outras. 

A prefeita determinou a revisão de todos os contratos para adequação das contas públicas, a fim de manter os serviços públicos básicos aos cidadãos e concentrar esforços nas atividades de saúde à população.

POLÍTICA

ECONOMIA

MULHER

CULTURA

CAROL RIBEIRO RECOMENDA