Qual é a estratégia do novo ministro contra a Covid-19? | Blog Carol Ribeiro Qual é a estratégia do novo ministro contra a Covid-19? | Blog Carol Ribeiro

quinta-feira, 16 de abril de 2020

Qual é a estratégia do novo ministro contra a Covid-19?

Em meio à coletiva de Luis Henrique Mandetta após demissão do cargo de Ministro da Saúde, o presidente Jair Bolsonaro entrou para pronunciamento ao vivo na TV Brasil. Logo em seguida, o novo Ministro Nelson Teich falou sobre o cargo que passa a ocupar e que coloca a gestão do combate ao coronavírus à prova.

No discurso, o médico e empresário não deixou clara a estratégia que deverá adotar para prevenção e combate ao Covid-19, mas mostrou o alinhamento com o discurso do presidente Jair Bolsonaro falando mais sobre economia do que saúde no curto pronunciamento.

Isolamento inteligente

O novo ministro Nelson Teich tem pontos de vista próximos aos do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre políticas de isolamento social e o equilíbrio entre quarentenas e retomada da atividade econômica.

Segundo a CNN, em texto publicado em seu LinkedIn, Teich defende um "isolamento inteligente". Ele diz que o chamado "isolamento vertical", defendido por Bolsonaro e aliados, "tem fragilidades e não representaria solução definitiva".

Para ele, a melhor estratégia seria um modelo semelhante ao aplicado na Coreia do Sul, com testagem em massa e "estratégias de rastreamento e monitorização, algo que poderia ser rapidamente feito com o auxílio das operadoras de telefonia celular".

(Foto: reprodução youtube)

Medida semelhante foi adotada por alguns governadores, como em Santa Catarina e São Paulo, sob duras críticas dos primeiros-filhos Carlos e Eduardo Bolsonaro, que chegaram a dizer que a ação é "ditatorial".

Entretanto, ele não detalha qual seria seu plano de ação. Menos ainda se o Governo teria verba para investir em testagem em massa. Para ele, uma visão polarizada e a adoção de "posições radicais" só atrapalhariam o entendimento da situação.

*Com informações da CNN Brasil

Nenhum comentário



POLÍTICA

ECONOMIA

CAROL RIBEIRO RECOMENDA