Chineses que visitam Mossoró devem dar retorno sobre acordo comercial em 10 dias | Blog Carol Ribeiro Chineses que visitam Mossoró devem dar retorno sobre acordo comercial em 10 dias | Blog Carol Ribeiro

terça-feira, 14 de janeiro de 2020

Chineses que visitam Mossoró devem dar retorno sobre acordo comercial em 10 dias

(Foto: autor não identificado)
Mossoró está recebendo nesta semana uma comitiva de técnicos chineses e membros do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). O objetivo é a realização de uma inspeção in loco do plantio do melão, para que essa seja a primeira fruta a ser exportada do Brasil para a China.

A área livre da mosca do melão é o ponto que está sendo observado.

Edilene Cambraia, coordenadora de fiscalização e certificação fitossanitária internacional do departamento de sanidade vegetal do MAPA explica: "com a conclusão desta missão para a aprovação da área livre, nós vamos abrir o mercado para a China da primeira fruta brasileira. Esperamos que esta seja a primeira de muitas”.

“Eles vão fazer todo um acompanhamento junto ao COEX, universidades, produtores, município e estado, para que tenham uma segurança de que o nosso melão pode ser mandado para China sem oferecer risco para eles. Após a visita às fazendas, eles retornam e o compromisso é que em dez dias, caso esteja todo dentro do esperado, eles já liberem para que façamos os primeiros embarques para a China”, diz o presidente do Comitê Executivo de Fruticultura do Rio Grande do Norte (COEX), Luiz Roberto Barcelos.

Missão

Em maio de 2019 uma missão esteve na China com a finalidade de abertura do mercado Chinês para o melão brasileiro, que é produzido unicamente no Rio Grande do Norte.

Na época, a expectativa, segundo Barcellos, era triplicar a produção do RN e gerar cerca de 40 mil empregos com o acordo comercial.

"Se o estado conseguir atingir 10% do mercado chinês durante o inverno asiático, quando eles não conseguem produzir o melão, o estado conseguiriam triplicar sua produção, passando dos atuais 20 mil hectares para 60 mil", disse.

*Com informações da Prefeitura de Mossoró e G1 


POLÍTICA

ECONOMIA

CAROL RIBEIRO RECOMENDA