Por que é importante para o Brasil exportar o melão para a China - Blog Carol Ribeiro

quinta-feira, 23 de janeiro de 2020

Por que é importante para o Brasil exportar o melão para a China

O melão é a primeira fruta brasileira a ser exportada para China. O Brasil é o único país do mundo habilitado a enviar a fruta para a China.

O objetivo foi alcançado depois de um longo processo que resultou no relatório chinês autorizando o embarque das frutas brasileiras para o país.

Segundo os produtores, a China é um destino que muitos países almejam, já que possui 1,7 bilhão de habitantes, e está em fortalecimento da economia. O consumo do melão pelos chineses é muito alto. Lá são produzidos cerca de 400 mil hectares de melão/ ano, enquanto o Brasil produz 20 mil hectares.

A intenção é que o Brasil aproveite o período de chuvas em que os chineses não conseguem produzir.

Com isso, para alcançar mercado de 10% dos que eles consomem, o melão norte-riograndense, que é responsável por 75% da produção no país, terá que triplicar o mercado. Num médio e longo prazo, isso significa mais plantio, mais exportação, mais geração de empregos, mais movimentação no comércio local e mais arrecadação de impostos. 

De acordo com o presidente do Comitê Executivo de Fruticultura (COEX), Luiz Roberto Barcelos, no ano passado, o estado do RN já liderou a exportação de frutas no Brasil inteiro, com o valor de US$ 158 milhões (cerca de R$ 600 milhões).

Visita da China a Mossoró inspecionou risco de pragas (Foto: cedida)

Sobrevivência no Brasil

Mas abrir o mercado brasileiro para o exterior tem sido uma "questão de sobrevivência do setor", diz Barcelos. Os resultados positivos de crescimento, inclusive nas exportações para a Europa, têm sido fruto do momento em que passa o mercado interno, que está desaquecido. 

"A economia brasileira ainda está se recuperando, mas não está num volume alto, então boa parte do melão que era destinado ao mercado brasileiro está sendo exportado. O câmbio também está favorável, então as empresas têm se voltado mais para a exportação. Por isso estamos trabalhando para abrir novos mercados", explica.

A indústria do melão também tem recebido visitas do Vietnã, Oriente Médio, e parte do Leste Europeu para abrir novos negócios. O mercado brasileiro caiu de forma que existe hoje uma sobre oferta da produção atual. 

Visita da China

As visitas ocorrem para se verificar a análise de risco de praga do produto para exportação.

É necessário um protocolo em que está especificado um regramento para que a praga não viaje junto com os produtos. O melão produzido em Mossoró está livre do risco da mosca branca, que é a praga que poderia atingi-lo. Segundo Barcelos, é reconhecido inclusive por outros países como EUA, Chile, países da Europa e Argentina.

Os chineses verificaram na região, na semana passada, as áreas de produção e as áreas urbanas para checar potencial risco. A fiscalização incluiu também a região das barreiras que são impostas às frutas produzidas fora da produção dos melões locais, para evitar contaminação.

Os maiores desafios da exportação do nosso melão para a China, segundo o presidente do COEX, é "como fazer o melão viajar 35 dias para chegar ao destino, quais são os melões que eles consomem, ou se eles se adaptarão às nossas variedades e que parceiros são mais adequados para distribuir as frutas lá", lista.

Esses desafios deverão ser resolvidos de 5 a 10 anos, triplicando a área, o que será positivo para a cadeia produtiva.

Nenhum comentário



CAROL RIBEIRO RECOMENDA

Tags

95 FM Aeroporto Alex do Frango Allyson Bezerra ALRN Amélia Ciarlini APAMIM APRAM Beto Rosado Blog Carol Ribeiro Bolsonaro Bombeiros Brasil Câmara Federal Campanha Eleitoral Candidatos Carlos Eduardo Alves CEF Cenário Político Claudio Santos CMM Comentário Congresso Nacional Conversa de Alpendre Cultura Debate DEM Denúncia Deputados Estaduais Deputados Federais DETRAN-RN Dilma Roussef Direitos da Mulher Direitos Humanos Economia Educação Eleições 2016 Eleições 2018 Eleições 2020 Esporte Ezequiel Ferreira Fafá Rosado Fátima Bezerra Feminismo Fernando Mineiro Fora Temer Francisco José Junior Garibaldi Alves Gastos Públicos Governo do Estado Governo do RN Governo Federal Greve Guarda Municipal Gutemberg Dias Haddad Henrique Alves Herval Sampaio Horário Eleitoral Hospital da Mulher HRTM IFRN Impeachment Impugnação Infraestrutura Isolda Dantas Izabel Montenegro Jorge do Rosário Jório Nogueira Jornalista José Agripino Josué Moreira Justiça Criminal Justiça do Trabalho Justiça Eleitoral Justiça Federal Larissa Rosado Lava Jato LDO LOA Lula MCJ MDB Meio Ambiente Meio Dia Mossoró Michel Temer Ministério da Saúde Ministério Público Eleitoral Mossoró Mossoró Cidade Junina Movimento Estudantil MPF MPRN Mulher Natal/RN Nayara Gadelha Novo Eleitoral OAB Opinião Pagamento Paralisação PCdoB Pesquisa de Opinião Petrobras PF PHS Plenário TCM PM-RN PMDB PMM Polícia Civil Política Política cultural Política eleitoral Política social Políticas LGBTs Políticas Públicas para as Mulheres PR Presidência da República Prestação de Contas PREVI-Mossoró Previdência Social Prisão Propaganda Eleitoral PSB PSD PSDB PSL PSOL PT Reajuste Rede Redes Sociais Reforma da Previdência Renúncia Ricardo Motta RN Robinson Faria Rosalba Ciarlini Sandra Rosado Saúde Saúde da Mulher Secretária Estadual de Saúde Secretaria Estadual de Segurança Secretaria Municipal de Saúde Secretariado Segurança Senado Serviços Terceirizados Servidores Setor Salineiro SindGuardasRN Sindiserpum Sindsaúde/RN SINSP SINTE Solidariedade STF Styvenson Tapetão TCE-RN TCM Teatro Lauro Monte Tião Couto Tibau TJRN Trânsito e transporte TRE-RN TSE UERN UFERSA Vereadores Vice Violência contra a mulher