Entenda denúncia de reitora da UFERSA contra estudante na Polícia Federal

Ana Flávia é parte do movimento estudantil em Mossoró
(Foto: web)

Em 26 de agosto, a Polícia Federal emitiu portaria para abertura de inquérito policial contra a coordenadora geral do DCE da Universidade Federal Rural do Semiárido (Ufersa), Ana Flávia Lira. A representação, formulada pela nova reitora da Ufersa, Ludimilla Oliveira, é de calúnia e difamação. Segundo Ludimilla, em áudios que circularam na imprensa após sua nomeação, Ana Flávia a cita como golpista e interventora, o que constituiria calúnia e difamação.

A reitora, nomeada pelo presidente Jair Bolsonaro em sua passagem por Mossoró, no último dia 21, diz ainda que sofreu ameaça. No áudio, Ana Flávia teria dito que "Na Ufersa Ludimilla não entra nem de helicóptero" e conclama os estudantes a organizar a luta para "nenhum minuto de sossego para a golpista Ludimilla e toda sua equipe". 

Leia mais

"Eu não sou uma golpista", diz reitora nomeada da Ufersa

Na denúncia é ainda anexado um vídeo, feito no dia 23 de agosto, divulgado na página do DCE, em que Ana Flávia diz que pretende desmoralizar e constranger a reitora e a nova equipe de gestão.

Além disso, a representação solicita ainda a verificação de "suposta formação de quadrilha", supondo a possibilidade de que o grupo de manifestantes possa ameaçar a integridade física dos estudantes ou impedir sua entrada no seu primeiro dia de trabalho, que acontece amanhã (01). De acordo com a portaria, a Polícia Federal estará na Universidade "como medida urgente e cautelar".

Veja cópia de documento da Polícia Federal aqui.

"Violento processo de perseguição"

A direção do Diretório Central dos Estudantes Romana Barros, entidade representativa dos estudantes da Universidade Federal Rural do Semiárido (UFERSA), emitiu nota sobre o assunto. Eles chamam a denúncia de "violento processo de perseguição". 

Para o DCE, a medida reforça a intenção autoritária, e diz que "foi para perseguir e criminalizar a comunidade acadêmica que ela, que perdeu as eleições para a reitoria, está tentando assumir a reitoria à revelia do resultado das urnas". Ainda questiona: "Que tipo de professora chama a polícia para impedir que uma estudante manifeste sua opinião?"

Outras 17 entidades ligadas à universidade e movimentos estudantis emitiram uma nota coletiva de solidariedade à Ana Flavia e à comunidade acadêmica da Ufersa. Pelo texto, a denúncia como uma das medidas iniciais no processo de gestão já indica as posturas que poderão ser adotadas no convívio com estudantes, servidores e com a comunidade ufersiana.

Os partidos PT e PCdoB também emitiram nota conjunta em solidariedade à Ana Flavia. Segundo os partidos, a sugestão de uma suposta formação de quadrilha sugere uma "nítida tentativa de criminalização do movimento estudantil. "Não é possível que a diretoria de uma instituição se valha de polícia para tratar de assuntos políticos da universidade", diz a nota.

Nesta segunda-feira (31), servidores e estudantes realizaram protesto em frente ao campus universitário.

POLÍTICA

ECONOMIA

MULHER

CULTURA

CAROL RIBEIRO RECOMENDA