sábado, 30 de março de 2019

A rosa ornamenta o velório do nosso esporte

Compartilhar

Diariamente há uma clara tentativa de negar a influência da política em todos os segmentos. No esporte, não é diferente. Há quem diga que os dois não se misturam. Tremenda balela. Tanto se misturam, como deviam se misturar ainda mais como um incentivo, um investimento, uma visão de um jogo que movimenta uma população.

Nas últimas semanas, a Prefeitura Municipal de Mossoró nos deu o desprazer de retirar mais de 700 mil reais de pastas específicas da cidade para investir no Mossoró Cidade Junina. E qual pasta foi “agraciada”? Claro! A DO ESPORTE! A prática esportiva, aos olhos turvos de quem não enxerga o seu verdadeiro valor, é apenas um hobby, um lazer, um passatempo qualquer. Se não dá lucro para os bolsos governistas, então, pra quê serve?

São esses pequenos grandes detalhes que ilustram bem o cenário esportivo mossoroense. Perdem o Circuito Mossoroense de Futebol Amador, perdem as escolinhas, o Ginásio Pedro Ciarlini, que tem história semelhante ao nosso Nogueirão, jogado às traças, velho, caindo aos pedaços, até está passando por melhorias. Perdem, por fim, todos nós. Porque por mais que você ignore o esporte profissional ou amador, seu valor está espalhado em recortes de vidas que se movimentam e existem pelo esporte.

Ou você nunca ouviu que alguém superou doenças, problemas e adversidades através de algum esporte? Ou sobre alguém que ninguém apostava qualquer centavo pelo seu crescimento e deslanchou como um grande atleta? O esporte estimula pessoas, coloca comida na mesa de famílias, une paixões, tira vidas da miséria social, mexe até com você, que se arrepia com um espetáculo como as Olimpíadas, como a Copa do Mundo, como ver seu filho ou filha dar seus primeiros passos na modalidade preferida e te arrancar um sorriso.

A retirada dos já poucos recursos dados ao nosso esporte mossoroense não somente é um sinal de total desrespeito a tudo isso e mais um pouco. É a prova de que o lado social das coisas tem se perdido em meio a tanta arrogância. Se a rosa prefere a festa pelos R$ que entrarão, também preferiu ao esporte o seu velório continuado e ainda o ornamentou. A coroa de flores está entregue pela principal delas, missa rezada por anos e anos.
Quem se candidata para ressuscitar o esporte mossoroense?

Nota do blog Larissa Maciel: é bom que fique claro que o blog não está fazendo uma crítica ao evento Mossoró Cidade Junina, já que seu valor cultural e turístico é indiscutível. O que aqui se questiona e se repudia é o desleixo com o esporte. 

*Larissa Maciel é formada em Jornalismo pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), é mossoroense, repórter e apresentadora da TCM Telecom e 95 FM, crescida entre fãs de esporte, jornalista por vocação e analista de esporte por amor à esta área da profissão em específico.